Avaliação da capacidade de escoamento superficial de uma avenida em um município de médio porte da Bahia

Palavras-chave: Drenagem pluvial, Expansão urbana, Planejamento urbano

Resumo

Com a urbanização e consequente aumento da impermeabilização do solo, os centros urbanos estão cada vez mais sujeitos à ocorrência de diversos problemas nas suas respectivas infraestruturas e, alguns desses estão relacionadas à drenagem pluvial. Nesse contexto, torna-se de extrema importância a adoção de medidas preventivas tomadas na fase de pré-desenvolvimento da bacia urbana, tanto estruturais quanto não estruturais. A área de estudo deste trabalho é a avenida Artêmia Pires na cidade de Feira de Santana (BA), que teve e tem o seu processo de expansão urbana não eficazmente planejado pelas competências públicas. Foi analisado o sistema de drenagem pluvial na avenida, que é representado majoritariamente pelo escoamento superficial irregular. Para o geoprocessamento e determinação de áreas de contribuição, foi utilizado o software QGIS e para o cálculo da vazão de contribuição foi aplicado o método racional, e encontrou-se um valor igual a 8,32 m³/s para a avenida. Foram adotados parâmetros de cálculo e assim foi possível determinar a capacidade de deflúvio superficial e determinar áreas onde essa metodologia é mais insatisfatória. Também foi analisado um cenário futuro de maior impermeabilização do solo, onde foi utilizado o coeficiente de escoamento superficial C = 0,70 pra todas as áreas. Foi encontrada uma vazão igual a 32,42 m³/s, e assim firmou-se que a capacidade de drenagem superficial da avenida Artêmia Pires ficará majoritariamente comprometida.

Keywords: Rain drainage. Urban expansion. Urban planning.

 

Abstract

“Urbanization and the consequent increase in soil sealing makes urban centers increasingly prone to the occurrence of several problems in their respective infrastructures, being some of these are related to rain drainage. In this context, it is extremely important to adopt preventive measures (structural and non-structural) taken in the pre-development phase of an urban basin. The object studied in this work is Artêmia Pires Avenue in the city of Feira de Santana (BA), which  hasn’t  had  its  urban  expansion  process  effectively  planned  by  governmental competences. The avenue drainage system, which is mainly represented by irregular runoff, was analyzed. Geoprocessing and determination of contribution areas were done with QGIS software.Rational method was applied to calculate contribution flow, resulting in 8.32 m³/s. Calculation parameters were adopted. Therefore, it was possible to determine the surface defluviation capacity as well as the areas where this methodology is most unsatisfactory. A future scenario of greater soil impermeability was also analyzed in which runoff coefficient C = 0.70 was used for all areas. A flow of 32.42 m³/s was found and thus the surface drainage capacity of Artêmia Pires Avenue was projected. It is likelyto be mostly compromised in this new scenario.”

Referências

ANDRADE, M. S. A Avenida Nóide Cerqueira no traçado urbano da cidade de Feira de Santana, Bahia. 2018. Dissertação (Mestrado em Desenho, Cultura e Interatividade) –Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2018.

CANHOLI, A. P. Drenagem urbana e controle de enchentes. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2014. 384 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades@.Sistema agregador de informações. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/municipio/2910800. Acesso em: 11 ago. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Dados do município de Feira de Santana. 2010. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/municipio/2910800. Acesso em: 11 ago. 2020.

MARINHO FILHO, G. M. et al. Modelos Hidrológicos: conceitos e aplicabilidades. Revista de Ciências Ambientais, Canoas, v.6, n.2, p. 35-47, 2012. DOI: https://dx.doi.org/10.18316/268. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Rbca/article/view/268 . Acesso em: 15 jul. 2020.

MORAES, J. M. et al. Propriedades físicas dos solos na parametrização de um modelo hidrológico. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v.8, n.1, p. 61-70, 2003. Disponível em: https://www.abrhidro.org.br/SGCv3/publicacao.php?PUB=1&ID=37&SUMARIO=573. Acesso em: 27 set. 2020.

NOVAES, C. P. de. Sistemas de drenagem urbana. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2000.

OLIVEIRA, A. M. de et al. O uso da técnica de sensoriamento remoto para a localização de lagoas no município de Feira de Santana – BA. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13., 2007, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: INPE, 2007. p. 2939-2646. Disponível em: http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2006/11.14.19.56/doc/2939-2946.pdf . Acesso em: 3 de out. 2020.

PARANÁ. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Plano Diretor de Drenagem para a Bacia do Rio Iguaçu na Região Metropolitana de Curitiba. Curitiba: Suderhsa, 2002.

PROGRAMA DAS NAÇOES ÚNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD Brasil). Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. 2010. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/conceitos/o-que-e-o-idhm.html. Acesso em: 28 jun. 2020.

SANTO, S. M. A Expansão urbana, o Estado e as águas em Feira de Santana - Bahia (1940-2010). Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/25832. Acesso em: 12 jul. 2020.

SÃO PAULO (cidade). Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano. Manual de drenagem e manejo de águas pluviais: aspectos tecnológicos: diretrizes para projetos. São Paulo: SMDU, 2012. 128 p. v.3.

TUCCI, C. E. M.; CRUZ, M. A. S. Avaliação dos Cenários de Planejamento na Drenagem Urbana. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v.13, n.3, p. 59-71, jul./set., 2008. Disponível em: https://www.abrhidro.org.br/SGCv3/publicacao.php?PUB=1&ID=14&SUMARIO=167. Acesso em: 15 out. 2020.

TUCCI, C. E. M. Drenagem urbana. Ciência e Cultura, São Paulo, v.55, n.4, p. 36-37, out./ dez., 2003. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252003000400020&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 5 jul. 2020.

TUCCI, C. E. M. Gestão de águas pluviais urbanas. [Brasília, DF]: Ministério das Cidades, 2005. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/285/o/Gest%C3%A3o_de_Aguas_Pluviais .PDF?1370 615799. Acesso em: 15 out. 2020.

UNITED STATES. Geological Survey (USGS). Shuttle radar topography mission. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 18 set. 2020.

YAZAKI, L. F. O.; MONTENEGRO, M. H. F.; COSTA, J. da (ed.). Manual de drenagem e manejo de águas pluviais urbanas do Distrito Federal. Brasília, DF: Adasa: Unesco, 2018. 329 p.

Publicado
2021-10-22
Como Citar
SANTOS, B.; AGUIAR, L. Avaliação da capacidade de escoamento superficial de uma avenida em um município de médio porte da Bahia. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 2, 22 out. 2021.