Uma década de pesquisas nas turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional

Palavras-chave: Turfeira, Organossolos, matéria orgânica do solo, reconstituição paleoambiental

Resumo

Há dez anos às turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional vem sendo estudadas, especialmente pelos pesquisadores vinculados a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em parceria com diversas instituições que em trabalhos interinstitucionais têm contribuído muito para o avanço no conhecimento sobre as turfeiras de montanhas tropicais, sobre a dinâmica da matéria orgânica e sobretudo na reconstituição paleoambiental da região da Serra do Espinhaço Meridional. Diante disso, essa revisão tem o objetivo de sintetizar um esboço dos trabalhos que já foram realizados nas turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional ao longo da última década, os principais objetivos, resultados e conclusões de cada um deles, que podem subsidiar a discussão de resultados encontrados nas pesquisas a partir de então, para que seja possível dar continuidade a essas pesquisas tão importantes, conectando as informações já existentes com as que vierem a ser obtidas a partir de então. As pesquisas foram acontecendo de maneira a se complementarem, partindo de simples trabalhos de caracterização inicialmente até pesquisas mais aprofundadas atualmente. Não se pode deixar de ressaltar o que é preconizado nas conclusões de todos esses estudos sem exceção que é a importância de preservação das turfeiras para que elas possam continuar a cumprir seu papel no sistema prestando os serviços ambientais tão úteis aos seres humanos, a sociedade e ao ambiente. E apesar de todas essas pesquisas ainda existem mais perguntas que respostas acerca de tudo o que já foi descoberto a partir do estudo da matéria orgânica do solo das turfeiras e seus microfóssies guardados por milhares de anos, assim sendo essas pesquisas precisam continuar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thamyres Sabrina Gonçalves, Instituto Estadual de Florestas (IEF)

Geógrafa, Mestre em Ciência Florestal, Doutora em Produção Vegetal pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Monitora Ambiental no Instituto Estadual de Florestas (IEF). Docente na Especialização em Ensino de Geografia da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Alexandre Christófaro da Silva, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Agrônomo, Doutor em Agronomia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Bolsista de Produtividade do CNPq. Coordenador do Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração nas Turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional

Camila Rodrigues Costa, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Agrônoma. Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Produção Vegetal na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). 

Ingrid Horák Terra, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Engenheira Florestal. Doutora em Ciência do Solo. Professora do Instituto de Ciências Agrárias na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Uidemar Morais Barral, Universidade de Brasília (UnB)

Agrônomo. Doutor em Produção Vegetal. Professor da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

AB'SÁBER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê editorial, 2003.

ALMEIDA-ABREU, P. A. Geologia das quadrículas Onça e Cuiabá (Gouveia-MG) – região mediana central da Serra do Espinhaço Meridional. 1989. Dissertação (Mestrado em Geologia) – Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989.

ALMEIDA-ABREU, P. A; RENGER, F. E. A Serra do Espinhaço Meridional (Minas Gerais) e a sua glaciação do tipo alpino do Mesoproterozóico tardio. 2002. Tese de concurso para professor titular, Faculdade de Ciências Agrárias, Faculdades Federais Integradas de Diamantina (FAFEID), Diamantina, 93 p., 4 pranchas.

BISPO, D. F. A. Caracterização qualiquantitativa dos recursos hídricos e da dinâmica do carbono de turfeiras das cabeceiras do Rio Araçuaí. 2013. 146 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2013. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/311. Acesso em: 05 mar. 2016.

BISPO, D. F. A. et al. Characterization of headwaters peats of the Rio Araçuaí, Minas Gerais State, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 39, p. 475- 489, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/01000683rbcs20140337. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/qKpXsbdDvfbzQcDLnRgL3Cb/?lang=en. Acesso em: 05 mar. 2016.

BISPO, D. F. A. et al. Hydrology and carbon dynamics of tropical peatlands from Southeast Brazil. Catena, Amsterdam, v. 143, p. 18-25, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2016.03.040. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0341816216301278?via%3Dihub. Acesso em: 05 mar. 2016.

CAMPOS, J. R. da R. Caracterização, mapeamento, volume de água e estoque de carbono da turfeira da área de proteção ambiental Pau-de-Fruta em Diamantina – MG. 2009. 103 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2009. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/551. Acesso em: 05 mar. 2016.

CAMPOS, J. R. da R. et al. Pedochronology and development of peat bog in the environmental protection area Pau-de-Fruta-Diamantina, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 1965-1975, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832010000600021. Disponível: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/R9X64SvnbhXZtv9WR7Nb6LL/?lang=en. Acesso em: 05 mar. 2016.

CAMPOS, J. R. da et al. Water retention in a peatland with organic matter in different decomposition stages. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 1217-1227, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832011000400015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/68VpfKnZ8YJdrcdg655Lp5z/?lang=en. Acesso em: 10 ago. 2016.

CAMPOS, J. R. da R; SILVA, A. C.; VIDAL-TORRADO, P. Mapping, organic matter mass and water volume of a peatland in Serra do Espinhaço Meridional. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 36, p. 723-732, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832012000300004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/NSZNprbrhQgwG3BQKpw5zPr/?lang=en. Acesso em: 10 ago. 2016.

CAMPOS, J. R. da R. et al. Extração e quantificação de alumínio trocável em Organossolos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, São Paulo, v. 49, p. 207-214, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2014000300007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pab/a/q6jP47rpLKcJn5Ngzy4PPmk/?lang=pt. Acesso em: 21 set. 2016.

CAMPOS, J. R. et al. Influence of the structural framework on peat bog distribution in the tropical highlands of Minas Gerais, Brazil. Catena, Amsterdam, v. 156, p. 228- 236, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2017.04.018. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.catena.2017.04.018. Acesso em: 17 mar. 2020.

CAMPOS, J. R. et al. Stratigraphic control and chronology of peat bog deposition in the Serra do Espinhaço Meridional, Brazil. Catena, Amsterdam, v. 143, p. 167-173, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.catena.2016.04.009. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0341816216301394?via%3Dihub. Acesso em: 17 mar. 2020.

CHUENG, K.F. et al. Evolução quaternária e reconstituição paleobioclimática de rampas alúvio-coluviais na Serra do Espinhaço Meridional, MG, utilizando os indicadores fitólitos e isótopos de carbono. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA, 11., 2016, Maringá. Anais [...]. Maringá: União da Geomorfologia Brasileira, 2016.

COSTA, C. R. Reconstituição paleoambiental utilizando uma abordagem multi-proxy em um registro de turfeira tropical de montanha, Minas Gerais, Brasil. 2018. 132 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2016. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/1786. Acesso em: 17 mar. 2020.

FONSECA, S. F. Geoprocessamento aplicado à identificação, análise espacial e temporal de usos da terra em áreas adjacentes as turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional. 2016. 126 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2016. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/1023. Acesso em: 17 mar. 2020.

FONSECA, S. F.; SILVA, A. C.; SENNA, J. A. de. Técnicas de geoprocessamento aplicadas na identificação de usos da terra no entorno das turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 43, p. 124-139, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/51672. Acesso em: 17 mar. 2020.

FREIRE, R. D. A. et al. Effects of peat bog humic substances and organic compounds in water retention of substrates. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Inovação, Uberaba, v. 2, n. 1, p. 53-62, 2017. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/rbcti/article/view/992. Acesso em: 17 mar. 2020.

FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS. Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, 2017. Disponível em: http://www.biodiversitas.org.br/rbse/. Acesso em: 17 mar. 2020.

GONÇALVES, T. S. et al. The Capões of seasonal semi-deciduous Forest in the Cerrados and Rupestrian Fields of the Espinhaço Chain. International Journal of Geoscience, Engineering and Technology, Diamantina, v. 1, n. 1, p. 43-48, 2020. Disponível em: http://geovales.com/index.php/Journal/article/view/7. Acesso em: 15 jan. 2021.

GONÇALVES, T. S. et al. Origin and phytogeographic evolution of the Rupestrian Fields of the Espinhaço Chain. International Journal of Geoscience, Engineering and Technology, Diamantina, v. 1, n. 1, p. 63-68, 2020. Disponível em: http://www.geovales.com/index.php/Journal/article/view/6. Acesso em: 15 jan. 2021.

GONÇALVES, T. S. Origem e evolução fitogeográfica dos capões de mata associados aos ecossistemas de turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional – MG. 2021. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2021. (No prelo).

GONÇALVES, T. S.; SILVA, A. C. da. Pesquisa que vira lei: o projeto que prevê a proteção das turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. In: MOSTRA CIENTÍFICA DO CONGRESSO NACIONAL DE PÓS-GRADUANDOS, 26., 2018, Brasília-DF. Anais [...]. Brasília: Associação nacional de Pós-Graduandos, 2018.

GONTIJO, B. M. Uma geografia para a Cadeia do Espinhaço. Revista Megadiversidade, Rio de Janeiro, v.4, n.1/2, p. 7-14. 2008.

GUERRA, M. P.; ROCHA, F. S.; NODARI, R. O. Biodiversidade, recursos genéticos vegetais e segurança alimentar em um cenário de ameaças e mudanças. In: Veiga, R. F. A.; Queiróz, M. A. (ed.) Recursos fitogenéticos: a base da agricultura sustentável no Brasil. Brasília: Embrapa Cerrados, 2015. p. 39-52. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1033776/1/CapLivroRGVGuerraRochaNodari15.pdf. Acesso em: 07 mar. 2016.

HORÁK-TERRA, I. Relações pedológicas, isotópicas e palinológicas na reconstrução paleoambiental da turfeira da Área de Proteção Especial APE Pau de Fruta, Serra do Espinhaço Meridional – MG. 2009. 282 f. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2009. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11140/tde-24022010-094021/en.php. Acesso em: 07 mar. 2016.

HORAK -TERRA, I. et al. Pedological and isotopic relations of a highland tropical peatland, Mountain Range of the Espinhaço Meridional (Brazil). Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 41-52, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832011000100004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/5KbjGfLJVJnwNkSM6yZk6jn/?lang=en. Acesso em: 07 mar. 2016.

HORAK-TERRA, I. et al. Characterization of properties and main processes related to the genesis and evolution of tropical mountain mires from Serra do Espinhaço Meridional, Minas Gerais, Brazil. Geoderma, Amsterdam, v. 232, p. 183-197, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.geoderma.2014.05.008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0016706114002134?via%3Dihub. Acesso em: 07 mar. 2016.

HORAK-TERRA, I. et al. Holocene climate change in central – eastern Brazil reconstructed using pollen and geochemical records of Pau de Fruta mire (Serra do Espinhaço Meridional, Minas Gerais). Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, Amsterdam, v. 437, p. 117-131, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.palaeo.2015.07.027. Disponível em; https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0031018215003946?via%3Dihub. Acesso em: 07 mar. 2016.

INTERNATIONAL PEATLAND SOCIETY. Where can peatlands be found? Disponível em: https://peatlands.org/peatlands/where-can-peatlands-be-found/. Acesso em: 15 mar. 2022.

KING, L. C. A geomorfologia do Brasil oriental. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v.18, n.2, p. 03-119, 1956.

LUZ, C. F.P. et al. Pollen grain morphology of Fabaceae in the special protection area (SPA) Pau-de-Fruta, Diamantina, Minas Gerais, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 85, p. 1329-1344, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/0001-3765201380511. Disponível em: https://www.scielo.br/j/aabc/a/CHvkt7Cd8M7J6pchtJPqzcx/?lang=en. Acesso em: 07 mar. 2016.

LUZ, C. F. P. et al. Pollen record of a tropical peatland (pau de fruta) from the Serra do Espinhaço Meridional, Diamantina, state of Minas Gerais – angiosperms eudicotyledons. Revista Brasileira de Paleontologia, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 3-22, 2017. Disponível em: https://www.sbpbrasil.org/assets/uploads/files/rbp20-1/01_Luz_et_al_RBP_v20_n1_COR.pdf. Acesso em: 07 mar. 2016.

LUZ, L. D. et al. Estágio atual do conhecimento sobre fitólitos no Brasil. Terrae Didática, Campinas, v. 11, n. 1, p. 52-64, 2015.

MALTBY, E.; DUGAN, P. J. Wetland ecosystem protection, management and restoration: an international perspective. In: DAVIS, S.; OGDEN, J. C. (ed.). Everglades: the ecosystem and its restoration. Boca Raton: CRC Press, 1994. cap.3.

MADARI, B. E. et al. Matéria orgânica dos solos antrópicos da Amazônia (Terra Preta de Índio): suas características e papel na sustentabilidade da fertilidade do solo. In: TEIXEIRA, W.G. (ed). et al. As terras pretas de índio da Amazônia: sua caracterização e uso deste conhecimento na criação de novas áreas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas: Emprapa Amazônia, 2010. p. 173-189. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/576059/1/Proci09.00073.pdf. Acesso em: 15 mar. 2016.

MARQUES, A. de L. Evolução da paisagem e ocorrência de Latossolos Húmicos nos Brejos de Altitude da Paraíba. 2019. 124 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) –Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.

PEREIRA JÚNIOR, J. D. S. Nova delimitação do semiárido brasileiro. Brasília: Centro de Documentação e Informação da Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados Federais, 2007. 25 p. Disponível em: https://antigo.mdr.gov.br/images/stories/ArquivosSNPU/Biblioteca/publicacoes/cartilha_delimitacao_semi_arido.pdf. Acesso em: 25 mar. 2020.

RIBEIRO, E. M.; GALIZONI, F. M. Água, população rural e políticas de gestão: o caso do vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. Ambiente & sociedade, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 129-146, 2003.DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2003000200008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/asoc/a/5DPHmWCTQWKwv3dZ3px3hBS/?lang=pt. Acesso em: 25 mar. 2020.

RIELEY, J. O. et al. Tropical peatlands: carbon stores, carbon gas emissions and contribution to climate change processes. In: STRACK, M. (ed). Peatlands and climate change. Finland: International Peat Society, 2008. p. 148-181.

SAADI, A. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, Belo Horizonte, v.3, n.1, p. 43-63, 1995. DOI: https://doi.org/10.18285/geonomos.v3i1.215. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistageonomos/article/view/11521. Acesso em: 10 mar. 2021.

SCHELLEKENS, J. et al. Holocene vegetation and fire dynamics in central-eastern Brazil: Molecular records from the Pau de Fruta peatland. Organic geochemistry, Amsterdam, v. 77, p. 32-42, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.orggeochem.2014.08.011. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0146638014002319?via%3Dihub. Acesso em: 21 jul. 2021.

SILVA, A. C. et al. Altitude, vegetation, paleoclimate, and radiocarbon age of the basal layer of peatlands of the Serra do Espinhaço Meridional, Brazil. Journal of South American Earth Sciences, v. 103, p. 102728, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jsames.2020.102728. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0895981120302716. Acesso em: 20 nov. 2020.

SILVA, A. C. et al. Solos do topo da Serra São José (Minas Gerais) e suas relações com o paleoclima no Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do solo, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 455-466, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832004000300007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/5zB3qMBnFK7WPfBB5C9gw8c/?lang=pt. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, A.C. et al. Serra do Espinhaço Meridional: paisagens e ambientes. Belo Horizonte: O Lutador, 2005. 272 p.

SILVA, A. C. et al. Turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional/MG: II- Influência da drenagem na composição elementar e substâncias húmicas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 33, p. 1399-1408, 2009a. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832009000500031. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/wNxGDt3jwF7j3sWSCSLZsbw/?lang=pt. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, A. C. et al. Turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional/MG: I- caracterização e classificação. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 33, n. 5, p. 1385-1398, 2009b. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832009000500030. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/3fVqpJmbLtpMSDXVVRFwQwb/?lang=pt. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, A. C. et al. Promoção do crescimento radicular de plântulas de tomateiro por substâncias húmicas isoladas de turfeiras. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 35, n. 5, p. 1609-1617, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832011000500015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/8LFk3VTZLFcnbcSF73CrCYC/?lang=en. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, D. W. et al. Análise paleoambiental a partir dos principais morfotipos de fitólitos encontrados em sedimento turfoso na região de Guarapuava- Paraná. Ambiência, Guarapuava, v. 12, n. 1, p. 13-32, 2016.

SILVA, E. de B. et al. Comparação de métodos para estimar a acidez potencial mediante determinação do pH SMP em organossolos da Serra do Espinhaço Meridional. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 32, p. 2007-2013, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832008000500022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/xVtgbGB5Mh6zrx7ZHFPYwTc/?lang=pt. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, J. M. C. Cadeia do Espinhaço: avaliação do conhecimento científico e prioridades de conservação. Revista Megadiversidade, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1-2, p. 1-276, 2008.

SILVA, M. L. da. A dinâmica de expansão e retração de Cerrados e Caatingas no período quaternário: uma análise segundo a perspectiva da teoria dos refúgios e redutos florestais. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 4, n. 1, p. 57-73, 2011.

SILVA, M. L. da et al. Surface mapping, organic matter and water stocks in peatlands of the Serra do Espinhaço Meridional-Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 37, n. 5, p. 1149-1157, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832013000500004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/rkNKh9PdMLH8DNPZHrM9v6f/?lang=en. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, M. L. da; SILVA, A. C. Gênese de turfeiras e mudanças ambientais quaternárias na Serra do Espinhaço Meridional/MG. Geociências, Rio Claro, v. 35, n. 3, p. 393-404, 2016. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/geociencias/article/view/11683. Acesso em: 15 out. 2017.

SILVA, M. L. da; SILVA, A. C. Gênese e evolução de turfeiras nas superfícies geomórficas da Serra do Espinhaço Meridional/MG. Revista Brasileira de Geomorfologia, Curitiba, v. 18, n. 1, 2017. DOI: https://doi.org/10.20502/rbg.v18i1.1058. Disponível em: https://rbgeomorfologia.org.br/rbg/article/view/1058. Acesso em: 15 jan. 2018.

SILVA, V. E. et al. Composição lignocelulósica e isótopica da vegetação e da matéria orgânica do solo de uma turfeira tropical: I- composição florística, fitomassa e acúmulo de carbono. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, v. 37, p. 121-133, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832013000100013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcs/a/nvrD8VtTpMKnPkB5sqWR44R/?lang=pt. Acesso em: 05 mar. 2016.

TANSLEY, A. G. The use and abuse of vegetational concepts and terms. Ecology, New Jersey, v. 16, n. 3, p. 284-307, 1935. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1930070. Acesso em: 05 mar. 2016.

ZHOURI, A.; OLIVEIRA, R.; LASCHEFSKI, K. A supressão da vazante e o início do vazio: água e “insegurança administrada” no Vale do Jequitinhonha–MG. Anuário Antropológico, Brasília, v. 36, n. 1, p. 23-53, 2011. DOI: https://doi.org/10.4000/aa.1084. Disponível em: https://journals.openedition.org/aa/1084. Acesso em: 17 jul. 2021.

Publicado
2022-07-29
Como Citar
GONÇALVES, T.; SILVA, A.; COSTA, C.; TERRA, I.; BARRAL, U. Uma década de pesquisas nas turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 3, 29 jul. 2022.