Influência das atividades antrópicas e do rompimento da barragem I, da mina Córrego do Feijão, na qualidade da água da bacia hidrográfica do rio Paraopeba

Palavras-chave: Rompimento de barragem, Testes estatísticos não paramétricos, Indicador de contaminação fecal, qualidade da água

Resumo

O objetivo do presente estudo foi avaliar a qualidade das águas superficiais da bacia do rio Paraopeba, a fim de identificar os corpos d'água mais degradados e os possíveis impactos gerados pelo rompimento da Barragem I, da mina Córrego do Feijão, da Mineradora Vale S.A., em Brumadinho e as demais fontes de poluição. Para tanto, foram aplicados testes não paramétricos de Kruskal-Wallis, complementadas pela análise das desconformidades aos limites estabelecidos pela legislação ambiental, aos dados de monitoramento obtidos junto ao Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), do período de 2008 a 2021. De acordo com os resultados, dentre os afluentes do rio Paraopeba, os rios Maranhão e Betim foram os que apresentaram maior degradação da qualidade da água, que pode ser associada ao lançamento de esgotos domésticos não tratados ou insuficientemente tratados, além de serem influenciados pelas atividades econômicas e tipos de solos da região. Os resultados dos parâmetros alumínio dissolvido, chumbo total, cor verdadeira, ferro dissolvido, ferro total, manganês total, sólidos em suspensão totais e turbidez evidenciam os impactos causados pelo rompimento da barragem I – Mina do Córrego do Feijão, que alterou a qualidade da água da calha rio Paraopeba a partir da confluência com o ribeirão Ferro Carvão, em Brumadinho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Cunha Soares, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Engenheira ambiental, doutora em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos UFMG (2021). Especialista em Gestão de Projetos Ambientais e Gerenciamento de Recursos Hídricos. Tem experiência na área de geoprocessamento, saneamento e recursos hídricos, com destaque à análise estatística de dados de qualidade de águas superficiais de bacias hidrográficas. Já atuou como professora substituta no Departamento de Engenharia Ambiental da UFMG e na coordenação de projetos relacionados aos recursos hídricos como PACUERA, Planos Diretores de Recursos Hídricos, elaboração de propostas de enquadramento de cursos de água e processos de outorga.

Silvia Corrêa Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, professora do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG, bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq nível 2. Atua em diversas linhas de pesquisa ligadas à Engenharia Sanitária e Ambiental, com destaque para atividades relativas à análise estatística de dados, tanto primários quanto secundários, gerados em pesquisas acadêmicas ou originados de empresas públicas e privadas, tais como processos de tratamento de águas de abastecimento, de esgotos domésticos, de efluentes industriais e de qualidade de águas superficiais de bacias hidrográficas.

Lenora Nunes Ludolf Gomes, Universidade de Brasília (UnB)

Bióloga, doutora em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos UFMG (2008). Professora do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília/UnB (2010-2020). Atualmente, professora voluntária do Núcleo de Estudos Ambientais/NEA, do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares/CEAM/UnB. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, com ênfase em Microbiologia Ambiental e Limnologia, atua principalmente nos seguintes temas: monitoramento da qualidade da água de bacias hidrográficas e reservatórios, estudo da dinâmica do fitoplâncton, avaliação e controle da poluição aquática.

Referências

ALBERTO, W. D. et al. Pattern recognition techniques for the evaluation of spatial and temporal variations in water quality a case study: Suquı́a river basin (Córdoba-Argentina). Water Research, Amsterdam, v. 35, n. 12, p. 2881-2894, 2001. DOI: https://doi.org/10.1016/S0043-1354(00)00592-3. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0043135400005923?via%3Dihub Acesso em: 30 ago. 2021.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (Brasil). Atlas esgotos: despoluição de bacias hidrográficas. Brasília: ANA, 2020. Disponível em: http://atlasesgotos.ana.gov.br/. Acesso em: 30 set. 2021.

ARCOVA, F.; CICCO, V. de. Qualidade da água de microbacias com diferentes usos do solo na região de Cunha, estado de São Paulo: water quality in small watersheds with different land. Scientia florestals, Piracicaba, v. 56, p. 125134, 1999. Disponível em: https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr56/cap09.pdf. Acesso em: 27 ago. 2020.

CALAZANS, G. M. et al. The use of multivariate statistical methods for optimization of the surface water quality network monitoring in the Paraopeba river basin, Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, Switzerland, v. 190, n. 8, 2018. DOI: https://doi.org/10.1007/s10661-018-6873-2 . Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10661-018-6873-2. Acesso em: 16 ago. 2020.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO (CETESB). Qualidade das águas interiores no Estado de São Paulo: apêndice E - Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas e de amostragem. São Paulo: Cetesb, 2018. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wpcontent/uploads/sites/12/2017/11/Ap%C3%AAndice-E-Significado-Ambiental-eSanit%C3%A1rio-das-Vari%C3%A1veis-de-Qualidade-2016.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS (COPASA). Release de Resultados 1T20. Belo Horizonte: Copasa, 2020. Disponível em: https://ri.copasa.com.br/servicos-aos-investidores/central-de-resultados/ Acesso em: 25 ago. 2021.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (Brasil). Resolução Conama n. 357 de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

COSTA, E. P. da. et al. Evaluation of violations in water quality standards in the monitoring network of São Francisco river basin, the third largest in Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, Switzerland, v. 189, n. 11, 2017. DOI: https://doi.org/10.1007/s10661-017-6266-y. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10661-017-6266-y. Acesso em: 20 ago. 2020.

DANTAS, M. S. et al. Impact of fecal contamination on surface water quality in the São Francisco river hydrographic basin in Minas Gerais, Brazil. Journal of Water and Health, London, v. 18, n. 1, p. 48-59, 1 fev. 2020. DOI: https://doi.org/10.2166/wh.2019.153. Disponível em: https://iwaponline.com/jwh/article/18/1/48/71303/Impact-of-fecal-contamination-on-surface-water. Acesso em: 20 set. 2020.

DING, J. et al. Influences of the land use pattern on water quality in low-order streams of the Dongjiang River basin, China: a multi-scale analysis. Science of The Total Environment, Amsterdam, v. 551-552, n. 19, p. 205-216, maio 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2016.01.162. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048969716301620?via%3Dihub Acesso em: 20 ago 2020.

GIAO, N. T.; CONG, N. V.; NHIEN, H. T. H. Using remote sensing and multivariate statistics in analyzing the relationship between land use pattern and water quality in Tien Giang Province, Vietnam. Water, Switzerland, v. 13, n. 8, p. 1093, 15 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.3390/w13081093. Disponível em: https://www.mdpi.com/2073-4441/13/8/1093. Acesso em: 20 ago 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS (IBGE). IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 8 fev. 2020.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Identificação de municípios com condição crítica para a qualidade de água na bacia do rio Paraopeba. Belo Horizonte: Igam, 2013. Disponível em: http://www.igam.mg.gov.br/images/stories/ARQUIVO_SANEAMENTO/estudo-saneamento-rio-paraopeba.pdf. Acesso em: 8 fev. 2020.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Avaliação da qualidade das águas superficiais de Minas Gerais em 2018: resumo executivo anual. Belo Horizonte: Igam, 2019a. Disponível em: http://www.repositorioigam.meioambiente.mg.gov.br/handle/123456789/3210. Acesso em: 8 fev. 2020.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Plano de Monitoramento Emergencial Rio Paraopeba: rompimento barragem córrego Feijão em Brumadinho. Belo Horizonte: Igam, 2019b. Disponível em: http://www.meioambiente.mg.gov.br/component/content/article/13-informativo/3741-desastre-ambiental-barragem-b1-mina-corrego-do-feijao. Acesso em: 08 set. 2020.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Informativo da qualidade das águas do rio Paraopeba, após o desastre na barragem B1 da mineradora Vale/SA no município de Brumadinho – Minas Gerais. Belo Horizonte: Igam, 2020a. Disponível em: http://www.repositorioigam.meioambiente.mg.gov.br/handle/123456789/2934. Acesso em: 20 ago. 2021.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Avaliação da qualidade da águas e sedimentos do Rio Paraopeba: acompanhamento da qualidade das águas do Rio Paraopeba após 1 ano do rompimento da barragem da Mina Córrego Feijão da Mineradora Vale/SA – Brumadinho/MG. Belo Horizonte: Igam, 2020b.

INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS (IGAM). Monitoramento da qualidade das águas. 2021. Disponível em: http://www.igam.mg.gov.br/monitoramento-da-qualidade-das-aguas2. Acesso em: 7 jul. 2021.

KRUSKAL, W. H.; WALLIS, W. A. Use of ranks in one-criterion variance analysis. Journal of the American Statistical Association, Switzerland, v. 47, n. 260, p. 583-621, 1952. DOI: https://doi.org/10.2307/2280779. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01621459.1952.10483441. Acesso em: 20 set. 2020.

MAPBIOMAS. Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas). Base de Dados. Disponível em: https://mapbiomas.org/. Acesso em: 4 set. 2020.

NAGHETTINI, M.; PINTO, E. J. DE A. Hidrologia estatística. Belo Horizonte: CPRM, 2007.

OLIVEIRA, J. C. D. et al. Spatial-temporal analysis of the surface water quality of the Pará River Basin through statistical techniques. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 14, 2019. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.2322. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ambiagua/a/6JX3B4jhpZ8XgDgh9MYmQqF/?lang=en. Acesso em: 20 set. 2020.

PACHECO, J. W.; YAMANAKA, H. T. Guia técnico ambiental de abates (bovino e suíno). São Paulo: Cetesb, 2006. (Série P + L). Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/consumosustentavel/wp-content/uploads/sites/20/2013/11/abate.pdf. Acesso em: 30 set. 2020.

PINTO, C. C.; CALAZANS, G. M.; OLIVEIRA, S. C. Assessment of spatial variations in the surface water quality of the Velhas River Basin, Brazil, using multivariate statistical analysis and nonparametric statistics. Environmental Monitoring and Assessment, Switerzerland, v. 191, n. 3, 2019. DOI: https://doi.org/10.1007/s10661-019-7281-y. Disponível em: Acesso em: 20 set. 2020.

SABINO, C. et al. Análise de alguns aspectos da qualidade da água da Bacia do Rio Paraopeba utilizando estatística multivariada. Revista de Biologia e Ciências da Terra, São Cristovão, v. 8, n. 2, p. 6-18, 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/500/50080202.pdf Acesso em: 20 set. 2020.

SANDERS, T. G. et al. Design of networks for monitoring water quality. Littleton: Water Resources Publication LLC, 1983.

SANTOS, C. V. dos. et al. Metal concentrations and biological effects from one of the largest mining disasters in the world (Brumadinho, Minas Gerais, Brazil). Scientific Reports, Berlin, v. 10, n. 1, p. 1-12, 2020. DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-020-62700-w. Disponível em: Acesso em: 20 set. 2020.

SEN XU et al. Spatial scale effects of the variable relationships between landscape pattern and water quality: example from an agricultural karst river basin, Southwestern China. Agriculture, Ecosystems & Environment, Amsterdam, v. 300, p. 106999, set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.agee.2020.106999. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0167880920301845?via%3Dihub. Acesso em: 20 mar. 2021.

SHAPIRO, A. S. S.; WILK, M. B. An analysis of variance test for normality ( Complete Samples ). Biometrika, United Kingdom, v. 52, n. 3/4, p. 591-611, 1965. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2333709. Acesso em: 20 set. 2020.

SIEGEL, S.; CASTELLAN JR., N. J. Nonparametric statistics for the behavioral sciences. 2nd. ed. New York: McGraw-Hill, 1988.

SIMEONOV, V. et al. Assessment of the surface water quality in Northern Greece. Water Research, Amsterdam, v. 37, n. 17, p. 4119-4124, out. 2003. DOI: https://doi.org/10.1016/S0043-1354(03)00398-1. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0043135403003981?via%3Dihub. Acesso em: 20 set. 2020.

SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE (Minas Gerais). Infraestrutura de Dados Espaciais do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - IDE-Sisema . Belo Horizonte, 2021. Disponível em: idesisema.meioambiente.mg.gov.br. Acesso em: 11 jan. 2021.

SOARES, A. L. C. et al. Water quality assessment of a multiple-use reservoir in southeastern Brazil: case study of the Vargem das Flores reservoir. Environmental Earth Sciences, Switzerland, v. 80, n. 5, p. 210, 3 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.1007/s12665-021-09474-0. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s12665-021-09474-0 Acesso em: 10 set. 2021.

SOARES, A. L. C.; PINTO, C. C.; OLIVEIRA, S. C. Impacts of anthropogenic activities and calculation of the relative risk of violating surface water quality standards established by environmental legislation: a case study from the Piracicaba and Paraopeba river basins, Brazil. Environmental Science and Pollution Research, Switzerland, v. 27, n. 12, p. 14085-14099, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s11356-020-07647-1. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11356-020-07647-1. Acesso em: 10 set. 2021.

SOUZA, T. S. da et al. Cytogenotoxicity of the water and sediment of the Paraopeba River immediately after the iron ore mining dam disaster (Brumadinho, Minas Gerais, Brazil). Science of the Total Environment, Amsterdam, v. 775, p. 145193, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2021.145193. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S004896972100259X?via%3Dihub Acesso em: 20 set. 2021.

THOMPSON, F. et al. Severe impacts of the Brumadinho dam failure (Minas Gerais, Brazil) on the water quality of the Paraopeba River. Science of the Total Environment, Amsterdam, v. 705, p. 135914, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2019.135914. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048969719359091?via%3Dihub. Acesso em: 20 set. 2021.

TRINDADE, A. L. C. et al. Tendências temporais e espaciais da qualidade das águas superficiais da sub-bacia do Rio das Velhas, estado de Minas Gerais. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 13-24, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-41522016131457. Disponível em: https://www.scielo.br/j/esa/a/4n83rTXFZGHBc5Q5kL7cbcn/?lang=pt. Acesso em: 20 set. 2020.

VIGLIO, E. P. Atlas geoquímico da bacia do rio São Francisco. Belo Horizonte: CPRM, 2018. Disponível em: https://rigeo.cprm.gov.br/jspui/handle/doc/20939. Acesso em: 20 set. 2021

Publicado
2022-04-08
Como Citar
SOARES, A. L.; OLIVEIRA, S.; GOMES, L. Influência das atividades antrópicas e do rompimento da barragem I, da mina Córrego do Feijão, na qualidade da água da bacia hidrográfica do rio Paraopeba. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 3, 8 abr. 2022.