Avaliação ex-post de programa implementado com recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos

uma ferramenta de apoio à gestão na bacia hidrográfica do rio Doce

Palavras-chave: P22, Uso racional da água, Programas públicos.

Resumo

Uma parcela importante da demanda total de água na bacia hidrográfica do Rio Doce é devida à irrigação, especialmente no estado do Espírito Santo. Considerando essa situação, os Comitês de Bacias Hidrográficas (CBHs) aprovaram o Programa de Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura – P22. Este estudo tem por objetivo realizar uma avaliação qualitativa e quantitativa da implementação do P22 na Unidade de Análise (UA) do rio São José, no Espírito Santo, que tem a irrigação como principal uso consuntivo da água. Foram definidos categorias, indicadores e índices de avaliação, possibilitando a obtenção, consolidação e avaliação do programa. O P22 foi implementado de forma satisfatória para 90% dos participantes na pesquisa. Houve boa aceitação, disposição em recomendar o programa a outras instituições ou produtores e disposição para participar novamente do programa. Para 80% dos participantes o P22 foi a primeira experiência com uma ação de incentivo ao uso racional da água na agricultura e para 100% dos produtores foi o primeiro contato com uma tecnologia de manejo da água na irrigação. De acordo com as categorias, indicadores e índices de avaliação definidos, o Programa P22 obteve um percentual de 74%, estando na Situação de Implementação "BOM". A avaliação do P22 mostrou-se uma importante ferramenta de gestão de recursos hídricos, contribuindo para o processo decisório sobre a sua continuidade, na medida em que foram conhecidos os seus resultados, considerando não só os apresentados pela entidade executora, mas também pelos pontos de vista dos participantes do programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson de Assis Morais, Unversidade Federal de Itajubá

Doutor em Engenharia Civil (Saneamento Ambiental) pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Adjuno IV na Universidade Federal de Itajubá - campus Itabira. Atualmente é docente no mestrado Gestão e Regulação de Recursos Hídricos - PROFAGUA, pela Unifei campus Itabira.

Fabiano Henrique da Silva Alves, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP

Engenheiro Agrônomo / Engenheiro de Segurança do Trabalho. Mestre em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos - ProfÁgua (UNIFEI - 2020). Especialista em Gestão Normativa de Recursos Hídricos (UFCG). Especialista em Gestão Agroindustrial (UFLA). Atualmente trabalha na Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP, filial Governador Valadares-MG. Tem experiência na área de Recursos Hídricos, com ênfase na Gestão de Recursos Hídricos, apoio aos Comitês de Bacias Hidrográficas, implementação de Programas e Projetos de Saneamento e Hidroambientais, e na área ambiental, com ênfase no licenciamento ambiental.

Referências

ALVES, F. H. da S. Avaliação do Programa de Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P 22) após a sua implementação na Unidade de Análise do São José. 2020. 125f. Dissertação (Mestrado Profissional em Rede Nacional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos – PROFÁGUA) – Instituto de Ciências Puras e Aplicadas, Universidade Federal de Itajubá, Itabira, Minas Gerais, 2020. Disponível em: https://repositorio.unifei.edu.br/jspui/handle/123456789/2369. Acesso em: 18 ago. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil et al. Avaliação de políticas públicas: guia prático de análise ex post. Brasília, DF: Casa Civil da Presidência da República, 2018. v. 2. 318 p. Disponível em: https://www.gov.br/casacivil/pt-br/centrais-de-conteudo/downloads/guiaexpost.pdf/view. Acesso em: 13 out. 2021.

BRASIL. Lei n. 9433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Brasília, DF, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.htm. Acesso em: 20 out.

BRUM, M. I. C. La evaluación de políticas y programas públicos: El caso de los programas de desarrollo social en México. México: Cámara de Diputados-Porrúa, 2006. Disponível em: http://biblioteca.diputados.gob.mx/janium/bv/ce/scpd/LIX/eval_pol_prog_pub.pdf. Acesso em: 06 out. 2021.

CASTRO, A. L. de A.; ANDRADE, E. P; UGAYA, C. M. L.; FIGUEIREDO, M. C. B. de. Escassez hídrica. In: UGAYA, C. M. L.; ALMEIDA NETO, J. A. de; FIGUEIREDO, M. C. B. de. (org.). Recomendação de modelos de avaliação de impacto do ciclo de vida para o contexto brasileiro. Brasília, DF: IBICT, 2019. p. 89-122. Disponível em: https://acv.ibict.br/wp-content/uploads/2019/07/Relat%C3%B3rio-de-Recomenda%C3%A7%C3%B5es-de-odelos-de-Avalia%C3%A7%C3%A3o-de-Impacto-para-o-Contexto-Brasileiro.pdf. Acesso em: 29 set. 2021.

CIFUENTES, A. M., IZURIETA, A. V., FARIA, H. H. de. Medición de la efectividad del manejo de areas protegidas. Costa Rica: WWF, IUCN, GTZ, 2000. 105 p.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE. Programa de Incentivo ao Uso Racional da Água na Agricultura (P22). Governador Valadares: CBHDoce, [201?]. Disponível em: www.cbhdoce.org.br/programas-e-projetos/p22-uso-racional-da-agua-na- agricultura. Acesso em: 20 maio 2020.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE. Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com os recursos da cobrança pelo uso dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Doce: 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2016. Governador Valadares: IBIO AGB Doce, 2017. Disponível em: www.cbhdoce.org.br/wp-content/uploads/2014/01/1.2-Anexo-II-Relatório-Anual-de-Acompanhamento-das-Ações...-IBIO-AGB-Doce-2016-2º-Termo-Aditivo.pdf. Acesso em: 13 jan. 2022.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE. Relatório anual de acompanhamento das ações executadas com os recursos da cobrança pelo uso dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do rio Doce: 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2017. Governador Valadares: IBIO AGB Doce, 2017. Disponível em:

www.cbhdoce.org.br/wp-content/uploads/2014/01/1.2-Anexo-II-Relatório-Anual-de- Acomp.-das-Ações_IBIO-2017.pdf. Acesso em 13 jan. 2022.

CONSÓRCIO ECOPLAN – LUME. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e Planos de Ações para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito da Bacia do Rio Doce. Governador Valadares: Consórcio Ecoplan- Lume, 2010. Disponível em: https://www.cbhdoce.org.br/pirh-parh-pap/pirh. Acesso em: 31 ago. 2021.

COSTA, F. L. da; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 37, n. 5, p. 969-992, set./out. 2003. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6509/5093. Acesso em: 05 set. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 002/2015, de 27 de janeiro de 2015. Dispõe sobre a declaração do Cenário de Alerta frente à ameaça de prolongamento da Escassez Hídrica em rios de domínio do estado do Espírito Santo. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo. Vitória, 28 jan. 2015a. p. 26-27. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1100&type=2. Acesso em: 01 out. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 003/2015, 04 de maio de 2015. Dispõe sobre a Revogação do Cenário de Alerta e instituição do Cenário de Atenção para o ano de 2015. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo, Vitória, 06 maio 2015b. p. 66-67. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1101&type=3. Acesso em: 01 out. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 005/2015, de 02 de outubro de 2015. Dispõe sobre a declaração do Cenário de Alerta frente ao prolongamento da Escassez Hídrica em rios de domínio do estado do Espírito Santo e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo, Vitória, 06 out. 2015c. p. 26-27; 64. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1103&type=3. Acesso em: 01 out. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 006/2015, de 02 de outubro de 2015. Dispõe sobre uso prioritário para dessedentação humana e animal no contexto do Cenário de Alerta vigente em todas as bacias hidrográficas de domínio estadual. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo, Vitória, 06 out. 2015d. p. 26-27; 64. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1103&type=3. Acesso em: 01 out. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 007/2015, de 14 de outubro de 2015. Dispõe sobre os requisitos para a inclusão e para permanência ou não, dos municípios e das bacias que integram o Anexo Único da Resolução Agerh nº 006/2015, que prioriza a dessedentação humana no contexto do Cenário de Alerta vigente em todas as bacias hidrográficas de rios de domínio do estado do Espírito Santo. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo, Vitória, 15 out. 2015e. p. 64-65. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1105&type=3. Acesso em: 01 out. 2021.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Resolução AGERH 008/2015, de 15 de outubro de 2015. Dispõe sobre os requisitos para a exclusão do uso industrial da água abrangido pela Resolução Agerh nº 005/2015 que estabelece o Cenário de Alerta em todas as bacias hidrográficas de rios de domínio do estado do Espírito Santo, enquanto estiver em vigência. Diário Oficial do Estado do Espírito Santo. Vitória, 15 out. 2015f. p. 65. Disponível em: http://servicos.iema.es.gov.br/legislacao/FileHandler.ashx?id=1106&type=3. Acesso em: 01 out. 2021.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION. Coping with water scarcity: an action framework for agriculture and food security. Rome: FAO, 2012. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/016/i3015e/i3015e.pdf . Acesso em: 20 fev. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 200 p. GUBERMAN, G.; KNOPP, G. Modernizando a Modernização da Gestão: o que a experiência do PNAGE nos ensina. In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, 2., 2009, Brasília. Anais .... Brasília: CONSAD, 2009. Disponível em: www.consad.org.br/wp-content/uploads/2013/02/MODERNIZANDO-A-MODERNIZA%C3%87%C3%83O-DA-GEST%C3%83O-O-QUE-A-EXPERI%C3%8ANCIA-DO-PNAGE-NOS-ENSINA.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. 352 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94254.pdf. Acesso em: 14 jan. 2022.

JANNUZZI, P. de M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-160, abr./jun. 2005. DOI: 10.21874/rsp.v56i2.222. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/222. Acesso em: 13 out. 2021.

LANDINI, F. P. Problemas enfrentados por extensionistas rurais brasileiros e sua relação com suas concepções de extensão rural. Ciência Rural, Santa Maria, v.45, n. 2, p.371-377, fev. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20140598. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cr/a/kZwQMyj4NrbMYtVfT8N9bGb/?lang=pt. Acesso em: 28 out. 2021.

LIKERT, R. A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, New York, v. 22, n. 140, p. 5-55, 1932.

MACHADO, F. H.; DUPAS, F. A. Valoração de recursos hídricos como subsídio na gestão do manancial urbano do ribeirão do Feijão, São Carlos – SP. GEOUSP Espaço e Tempo, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 111-126, 2013. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2013.74305. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74305. Acesso em: 03 jun. 2020.

MOTA, A. de O. Proposição metodológica para avaliação da implementação de Planos Diretores de Recursos Hídricos. 2018. 236 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-B9CM6J. Acesso em: 31 ago. 2021.

OLIVEIRA, R. A. et al. Desempenho do irrigâmetro na estimativa da evapotranspiração de referência. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 12, n. 2, p. 166-173, abr. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-43662008000200009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415- 43662008000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 maio 2020.

RAMOS, H. E. dos A. et al. A estiagem no ano hidrológico 2014-2015 no Espírito Santo. Incaper em Revista, Vitória, v. 6 e 7, n. 4, p. 6-25, jan. 2015/dez 2016. Disponível em: https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/item/2538/1/BRT-incaperemrevista-2016.pdf. Acesso em: 01 out. 2021.

UNITED STATES. Department of Health and Human Services. Introduction to program evaluation for public health programs: A self-study guide. Atlanta, GA: Centers for Disease Control and Prevention, 2011. Disponível em: https://www.cdc.gov/evaluation/guide/CDCEvalManual.pdf. Acesso em: 04 out. 2021.

Publicado
2022-03-10
Como Citar
MORAIS, A.; ALVES, F. Avaliação ex-post de programa implementado com recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 3, 10 mar. 2022.