Uso da análise multicritério baseada no método híbrido AHP/TOPSIS para implantação de intervenções de programas hidroambientais

estudo de caso na bacia hidrográfica do rio Doce

Palavras-chave: Tomada de Decisão, Imóveis Rurais, Iniciativa Rio Vivo, Rio Doce

Resumo

O estudo visou o desenvolvimento de um modelo de decisão multicritério para hierarquizar os imóveis rurais comtemplados pela Iniciativa RIO VIVO da Bacia Hidrográfica do Rio Doce. Foi desenvolvido um modelo hídrico composto pelas ferramentas Analytic  Hierarchy Process (AHP) – utilizada para determinação dos pesos dos critérios; e Technique for Order Preference by Similarity to Ideal Solution (TOPSIS) – utilizada para a hierarquização dos imóveis rurais. O modelo foi aplicado na hierarquização de 52 imóveis rurais de uma microbacia hidrográfica do município de Mariana. Foram selecionados 12 critérios para hierarquização, que comtemplaram os programas de proteção de nascentes (P52) e expansão do saneamento rural (P42). O painel para determinação dos pesos dos critérios foi realizado com os técnicos envolvidos com a elaboração da Iniciativa RIO VIVO, sendo que a taxa de consistência da matriz de julgamento foi de 4,0% e o grau de consenso do grupo foi de 80,9%. Os critérios Quantidade de nascentes e Localização na microbacia foram os que obtiveram a maior ponderação no painel. Os imóveis rurais localizados nos terços alto e médio obtiveram as primeiras colocações da hierarquização, sendo esses os prioritários na implantação das intervenções. O modelo desenvolvido promove uma adequada implantação dos recursos oriundos da cobrança do uso da água, auxiliando os gestores na tomada de decisão, uma vez que prioriza os imóveis rurais, otimiza a logística e reduz os custos de implantação das intervenções hidroambientais, de acordo com as características dos locais de implantação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Cardoso Pereira, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP
Doutorando em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Viçosa. Mestre em Engenharia Civil pela UFV. Especialista em Avaliação de Risco e Perícia Ambiental. Engenheiro Ambiental e Sanitarista. Atuou como coordenador e professor titular dos cursos de Engenharia Ambiental e Sanitária e Engenharia Civil. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental e Sanitária, com ênfase em Engenharia Sanitária, atuando principalmente nos seguintes temas: saneamento básico, salubridade ambiental, saneamento ambiental, saneamento rural, gestão ambiental, avaliação de passivos ambientais, projetos hidro-sanitários, projetos hidroambientais e gestão de projetos. Atualmente, exerce a função de Técnico Pleno do Programa Escola de Projetos da AGEVAP – Filial Governador Valadares-MG, trabalhando com o planejamento, gerenciamento, fiscalização e elaboração de projetos no âmbito da Iniciativa RIO VIVO.
Bruno Augusto de Rezende, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP

Mestre em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos (ProfÁgua); Especialista em Gestão da Inovação Corporativa; Especialista em Gestão de Projetos; Engenheiro Sanitarista e Ambiental. Possui experiência em gestão de projetos e contratos, elaboração de planos e projetos hidroambientais e de saneamento básico. Atualmente, exerce a função de Técnico Pleno do Programa Escola de Projetos da AGEVAP – Filial Governador Valadares-MG, trabalhando com o planejamento, gerenciamento, fiscalização e elaboração de projetos no âmbito da Iniciativa RIO VIVO.

Fabiano Henrique da Silva Alves, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP

Engenheiro Agrônomo / Engenheiro de Segurança do Trabalho. Mestre em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos - ProfÁgua (UNIFEI - 2020). Especialista em Gestão Normativa de Recursos Hídricos (UFCG). Especialista em Gestão Agroindustrial (UFLA). Atualmente trabalha na Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP, filial Governador Valadares-MG. Tem experiência na área de Recursos Hídricos, com ênfase na Gestão de Recursos Hídricos, apoio aos Comitês de Bacias Hidrográficas, implementação de Programas e Projetos de Saneamento e Hidroambientais, e na área ambiental, com ênfase no licenciamento ambiental.

André Luís de Paula Marques, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP

Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Unesp (1987), mestrado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Unesp (1994) e doutorado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Unesp (2001). Atualmente é Diretor-executivo da Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul. Tem experiência na área de Engenharia Sanitária, com ênfase em Saneamento Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, tratamento de resíduos, desenvolvimento sustentável, educação ambiental e coleta seletiva.

Luciana Figueiredo Silva, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP

Mestre em Ciências Biológicas (Área de Concentração Biologia e Conservação) pela Universidade Estadual de Montes Claros (2014). Graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado) pela Universidade Federal de Ouro Preto (2011). Durante a graduação fez estágio e iniciação científica no Laboratório de Ecologia de Dossel e Sucessão Natural, desenvolvendo atividades de coleta de insetos em geral e identificação taxonômica de formigas. No mestrado, participou do projeto SISBIOTA onde atuou na levantamento, identificação e na ecologia de formigas de Florestas Tropicais Secas brasileiras. Trabalhou durante quase 04 anos no setor socioambiental da Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais (Grupo Plantar), onde desempenhava as atividades de regularização ambiental, atendimento de condicionantes ambientais, elaboração de Projetos e Relatórios ambientais, gestão de resíduos, educação ambiental, emissão de recomendações ambientais, treinamento dos procedimentos internos e gestão de equipes de campo. Atualmente é Analista de Programas e Projetos da AGEVAP - Filial Governador Valadares, Entidade Delegatária e Equiparada às funções de Agência de Águas, onde trabalha na implementação dos Programas previstos no Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce.

Vítor Soares Feitoza, Codex

Mestrando em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos / Especialista em Geoprocessamento e Georreferenciamento

Héverton Ferreira Rocha, Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul – AGEVAP

Engenheiro Civil e Ambiental  e Sanitarista. Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho, Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos e Engenharia de Avaliações e Perícias. Atualmente trabalha na Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP, filial Governador Valadares-MG. Tem experiência na área de Saneamento Básico, principalmente em Sistemas de Abastecimento de Água, Sistema de Esgotamento Sanitário e Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos. Trabalhou na Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA) como Agente de Saneamento por 12 anos e no Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico da Zona da Mata de Minas Gerais (CISAB-ZM) por 7 meses como Engenheiro de Regulação. Atualmente, exerce a função de Técnico Pleno do Programa Escola de Projetos da AGEVAP – Filial Governador Valadares-MG, trabalhando com o planejamento, gerenciamento, fiscalização e elaboração de projetos no âmbito do Programa de Saneamento da Bacia do Rio Doce (P41 e P11).

Referências

ABDEL-BASSET, M; MOHAMED, R. A novel plithogenic TOPSIS- CRITIC model for sustainable supply chain risk management. Journal of cleaner production, Knoxville, v. 247, n. 20, fev. 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2019.119586. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0959652619344567. Acesso em: 18 out. 2021.

ADDOR, M. R. A.; SANTOS, E. T. Salas de coordenação de projetos em BIM: proposta de um método de avaliação. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 403-423, out./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-86212017000400204. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ac/a/Qj5mSpwnK4CcSBm3BrfkSXk/?lang=pt. Acesso em: : 05 out. 2021.

ALMEIDA, F. C. de et al. Análise multicritério na definição de áreas prioritárias para recuperação florestal na Bacia do Rio Doce, em Minas Gerais. Nativa, Pesquisas Agrárias e Ambientais, Mato Grosso, v. 8, n. 1, p. 81-90, jan./fev. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.31413/nativa.v8i1.8130. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/article/view/8130. Acesso em: 18 out. 2021.

BARCELOS, A. A; CABRAL, J. B. P. Caracterizações físicas e químicas das águas dos afluentes da UHE Caçu. Revista Geonorte, Manaus, v. 3, n. 6. p. 739-749, jun. 2012. Ed. esp. Disponível em: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/1983. Acesso em: 25 out. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 2021. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 19 out. 2021.

BRASIL. Lei n° 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal e altera o art. 1º da Lei n º 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7990, de 28 de dezembro de 1989. Brasília, 8 jan. 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9433.htm. Acesso em: 19 out. 2021.

BORGES, F. R. F. .; EZEZINOS, K. E. .; VIEIRA, E. M. . The rainfall erosivity on rio Doce basin cities of Minas Gerais, through the netErosividade MG software. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 9, n. 11, p. 1-39, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10126. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10126/9099. Acesso em: 03 out. 2021.

BULGURCU, B. Application of TOPSIS technique for financial performance evaluation of technology firms in Istanbul stock exchange market. Procedia: Social and Behavioral Sciences, Amsterdam, v. 62, n. 1, p. 1033-1040, 2012. DOI: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.09.176. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1877042812036178. Acesso em: 05 out. 2021.

CAMPOS, V. R. ; CAZARINI, E.W. ; CAMPOS, J. N. B. Gerenciamento de portfólio de projetos de saneamento nos Comitês das Bacias PCJ: método multicritério para hierarquização. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 457- 465, maio./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-4152202020190376. Disponível em: https://www.scielo.br/j/esa/a/KkNDXWjycmK7JfBbNKYGdrk/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 18 out. 2021.

CATELANI, C. de S. et al. Determinação de áreas prioritárias para o restabelecimento da cobertura florestal, apoiada no uso de geotecnologias. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 113-126, 2012. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.964. Disponível em: http://www.ambi-agua.net/seer/index.php/ambi-agua/article/view/964. Acesso em: 03 out. 2021.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE (CBH DOCE). Deliberação ad referendum nº 48 de 01 de dezembro de 2015. Institui o Plano de Aplicação Plurianual da Bacia Hidrográfica do Rio Doce para o período de 2016 a 2020. Disponível em: http://www.cbhdoce.org.br/wp-ontent/uploads/2014/09/Delibera%C3%A7%C3%A3o-48-Institui-o-Plano-de-Aplica%C3%A7%C3%A3o-Plurianual-2016-2020.pdf. Acesso em: 21 out. 2021.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE (CBH DOCE). Deliberação normativa nº 90 de dezembro 2020 de 2020. Institui o Plano de Aplicação Plurianual da Bacia Hidrográfica do Rio Doce para o período de 2021 a 2025. Disponível em: http://www.cbhdoce.org.br/wp-content/uploads/2021/01/PAP-Consolidado-DN_ANEXO-1.pdf. Acesso em: 21 out. 2021.

CONSOMINAS ENGENHARIA. Diagnósticos ambientais compilados: P4.2 CBH01. L01. M118 V00: Mariana. 2019. Disponível em: https://www.cbhpiranga.org.br/mariana-2. Acesso em: 28 abr. 2022.

CONSÓRCIO ECOPLAN-LUME. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e Planos de Ações para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito da Bacia do Rio Doce. Governador Valadares, 2010. Disponível em:. Acesso em: 18 out. 2021.

GOEPEL, K. D. Implementation of an online software tool for the Analytic Hierarchy Process (AHP-OS). International Journal of the Analytic Hierarchy Process, Pittsburgh, v. 10, n. 3, p. 469-487, dez. 2018. DOI: https://doi.org/10.13033/ijahp.v10i3.590. Disponível em: https://ijahp.org/index.php/IJAHP/article/view/590. Acesso em: 10 out. 2021.

HATJE, V. et al. The environmental impacts of one of the largest tailing dam failures worldwide. Scientific Reports, London, v.7, n.10706, p. 1-13, set. 2017. DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-017-11143-x. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41598-017-11143-x.pdf. Acesso em: 05 out. 2021.

HWANG, C.L.; YOON K.P. Multiple attribute decision making: methods and applications. New York: Springer-Verlag, 1981.

JANKOWSKY, M. et al. Peixes e pesca na bacia do Rio Doce, uma análise bibliométrica. Brazilian Journal of Production Engineering, São Mateus (ES), v. 6, n. 8, p. 14–40, 2021. Ed. esp. DOI: https://doi.org/10.47456/bjpe.v6i8.33769. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/33769. Acesso em: 10 out. 2021.

LIMA JÚNIOR, F. R; CARPINETTI, L. C. R. Uma comparação entre os métodos TOPSIS e Fuzzy-TOPSIS no apoio à tomada de decisão multicritério para seleção de fornecedores. Gestão & Produção, São Carlos, v. 22, n. 1, p. 17-34, mar. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-530X1190. Disponível em: https://www.scielo.br/j/gp/a/YYQS49M7kYZGVG8sgcKxJHC/?lang=pt. Acesso em: 12. out. 2021.

MATOS, P. V. et al. The use of multi-criteria analysis in the recovery of abandoned mines: a study of intervention in Portugal. RAUSP Management Journal, Amsterdam, v. 53, n. 2, p. 214-224, abr./jun., 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rauspm.2017.06.005. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0080210716307749. Acesso em: 05 out. 2021.

MIRANDA, C. C. et al. Analysis of the collection for the use of water resources in Union-dominated waters: case study of the Doce river watershed (MG). Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 10, n. 4, p.1-18, 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13785. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13785. Acesso em: 10 out. 2021.

MONTEIRO NETO, A. M et al. Análise multicritérios como ferramenta de identificação de áreas aptas à expansão da dendeicultura na Bacia Hidrográfica do Rio Acará, PA. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, Aracaju, v. 12, n. 8, p. 585-607, ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.6008/CBPC2179-6858.2021.008.0046. Disponível em: https://sustenere.co/index.php/rica/article/view/6092. Acesso em: 10 out. 2021.

PIMENTA, L. B. et al. Processo Analítico Hierárquico (AHP) em ambiente SIG: temáticas e aplicações voltadas à tomada de decisão utilizando critérios espaciais. Interações, Campo Grande, v. 20, n. 2, p. 407-420, abr./jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v20i2.1856. Disponível em: https://www.scielo.br/j/inter/a/czmJyn93szNcX5jfXjpPR8M/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

RICHARD, E. d. C. et al. Water and Sediment Quality in the Coastal Zone Around the Mouth of Doce River After the Fundão Tailings Dam Failure. Integr Environ Assess Manag, San Francisco, v. 16, n. 5, p. 643-654, 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/ieam.4309. Disponível em: https://setac.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ieam.4309. Acesso em: 20 de out. de 2021.

SAATY. T.L. The Analytic Hierarchy Process. New York: McGraw Hill, 1986 apud ADDOR, M. R. A.; SANTOS, E. T. Salas de coordenação de projetos em BIM: proposta de um método de avaliação. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 403-423, out./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-86212017000400204. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ac/a/Qj5mSpwnK4CcSBm3BrfkSXk/?lang=pt. Acesso em: : 05 out. 2021.

SAITO, C. et al. Nutritional values and antioxidative activities of whole peanuts and peanut skins for ruminant feeds. Animal Science. Journal, Sendai, v. 87, n. 1, p. 54-60, 2016. DOI: https://doi.org/10.1111/asj.12405. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/asj.12405. Acesso em: 17 out. 2021.

SANTOS, L. A. dos et al. Áreas prioritárias para regularização fundiária no estado da Bahia (Brasil). Finisterra, Revista Portuguesa de Geografia, Lisboa, v. 53, n. 107, p. 27- 50, 2018. DOI: https://doi.org/10.18055/Finis10618. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/10618. Acesso em: 10 out. 2021.

SILVA, A. S. da. et al. Influência do pisoteio do gado na alteração das propriedades físicas de horizontes superficiais em Santo Antônio de Pádua. Geo UERJ, Rio de Janeiro, n. 35, jul./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2019.46650. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/46650. Acesso em: 13 out. 2021.

SPEARMAN, C. The proof and measurement of association between two things. The American Journal of Psychology, New York, v.15, n.1, p.72–101, 1904. DOI: https://doi.org/10.2307/1412159. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1412159?seq=1. Acesso em: 18 out. 2021.

VILARINHO, C. M. R. et al. Eficácia da cobrança pelo uso de recursos hídricos condicionada ao Índice de qualidade da Água: estudo de Caso, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 14, n.01, p. 266-280, 2021. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p266-280. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/248872. Acesso em: 14 out. 2021.

WONDIM, T. T.; DZWAIRO, B. “A scenario-based multiple attribute decision-making approach for site selection of a wastewater treatment plant: Bahir Dar City (Ethiopia) case study. Water SA, Pretória, v. 44, n.4, p. 782-794, out. 2018. DOI: https://doi.org/10.4314/wsa.v44i4.26. Disponível em: https://watersa.net/article/view/6685. Acesso em: 19 out. de 2021.

ZAMBON, K. L. et al. Análise de decisão multicritério na localização de usinas termoelétricas utilizando SIG. Pesquisa Operacional, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 183-199, maio/ago. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-74382005000200002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pope/a/MtFMpzKrZBYm6CVPg4k3PwP/?format=pdf〈=pt. Acesso em: 18 out. 2021.

Publicado
2022-07-21
Como Citar
PEREIRA, A.; REZENDE, B.; ALVES, F.; MARQUES, A.; SILVA, L.; FEITOZA, V.; ROCHA, H. Uso da análise multicritério baseada no método híbrido AHP/TOPSIS para implantação de intervenções de programas hidroambientais. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 3, 21 jul. 2022.